Maduro anuncia fechamento total de fronteira terrestre com o Brasil
21/02/2019 19:09 em INTERNACIONAL

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, determinou nesta quinta-feira (21) o fechamento da fronteira com o Brasil, por tempo indeterminado, em meio a um plano de lideranças oposicionistas para entregar ajuda humanitária ao país em crise. Na televisão estatal, Maduro disse ainda que avalia o fechamento da fronteira com a Colômbia.Autoridades locais fecharam nesta semana por tempo indeterminado as fronteiras marítima e aérea com as ilhas caribenhas de Aruba, Curaçau e Bonaire.

Líderes oposicionistas têm planejado enviar ajuda à Venezuela a partir da Colômbia e do Brasil. Maduro arma que essa ajuda signicará minar seu poder e acabaria por derrubá-lo do poder. Para ele, o país não necessita desse auxílio.

Maduro realiza videoconferência com o Estado Maior Superior, o comando das Forças Armadas. Em sua fala, ele tem enfatizado que resistirá à pressão para que deixe o poder. Além disso, ressalta que mantém o apoio dos militares locais.

O líder socialista disse ainda que está "avaliando um fechamento total da fronteira com a Colômbia", diante do que chamou de "provocações" e agressões do governo do presidente Iván Duque em aliança com o presidente americano, Donald Trump.

"Eu considero o senhor Iván Duque responsável por qualquer violência na fronteira", declarou Maduro, que também pediu aos militares colombianos que não se prestem a nenhuma agressão contra a Venezuela.

O presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autointitula presidente interino no país e diz que Maduro usurpa o poder, já que teria sido reeleito com fraude. Guaidó recebeu o apoio de vários governos da região, inclusive de Brasil e Colômbia, e também dos Estados Unidos. Maduro, por sua vez, mantém o apoio de aliados como Rússia, China e Turquia.

Decreto

"Eu decidi, no sul da Venezuela, que a partir das 20h horas (21h de Brasília) deste 21 de fevereiro, ca fechada total e completamente, até novo aviso, a fronteira terrestre com o Brasil", armou o presidente em uma reunião com o alto comando militar em Fort Tiuna.

Ajuda humanitária

Guaidó, reconhecido por 50 países como presidente interino da Venezuela, viaja nesta quinta (21) em caravana para a fronteira com a Colômbia (oeste) para exigir a entrada de ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos e que está armazenada na cidade colombiana de Cúcuta.

Dois dias atrás, Maduro rearmou sua decisão de suspender o tráfego aéreo e marítimo com Curaçao, onde a ajuda enviada a partir de Miami (EUA) está armazenada, porque ali "estavam preparando uma provocação" com o consentimento do governo da Holanda.

"É melhor prevenir do que remediar, tomar todas as medidas de segurança e proteção até novo aviso, porque as provocações devem ser trabalhadas com tempo para desmontá-las, simples assim", disse aos militares.

Guaidó anunciou que as brigadas de voluntários vão se dirigir no sábado aos centros de armazenamento de partir nos estados de Táchira e Bolívar (sul), na fronteira com Cúcuta e Roraima (Brasil), e em Puerto Cabello e La Guaira (norte)

O opositor de 35 anos garantiu que fará a ajuda humanitária entrar no país no sábado, dia que marca um mês de sua proclamação como presidente interino.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!